segunda-feira, 26 de março de 2012

Com o pau pra fora e ela no Pega não pega...

Encoxando a universitária novinha

Encoxando a universitária novinha

Várias encoxadas com gatinhas facilitando e apertando.

Encoxando putinha caliente no show com pau pra fora..

Encoxando no show. Que delícia.

Encoxando a rabuda de jeans.

Encoxada muito gostosa

Encoxando com pau pra fora de saia amarela

Encoxando com pau pra fora.

No trem,toda meladinha

Olá hoje vou fazer uma confissão,de tanto ler esses contos de mulheres e até homens que pegam conduções lotadas e vivem experiências maravilhosas,eu passei a pensar muito nisso e confesso que a idéia me deixava muito excitada.
Foi então que resolvi viver uma aventura dessas,após conversar com várias pessoas que trabalham no centro da cidade,cheguei a conclusão que o lugar ideal para isso acontecer seria num trem na hora do rush.
Dizem que a segunda-feira é o pior dia para se sair,pois muitas pessoas escolhem este dia para procurar emprego,resolver problemas,então as conduções saem sempre lotadas.
É lógico que escolhi este dia.Bem,tomei um banho,passei um perfuminho,deixei meu cabelo souto,pois estava molhado,coloquei uma blusa bem soltinha e uma saia bem levinha quase que transparente que dava para ver minha minúscula calcinha e lá fui eu para a estação ferroviária,assim que cheguei na plataforma já ouvi algumas gracinhas,então o trem veio e para entrar foi o maior sufoco,foi aquele empurra-empurra,cada um querendo pegar o melhor lugar sem querer saber se estava disputando ele com mulher ou homem,fui empurrada pelo povo até o meio do trem e parei perto de um ferro e logo percebi que estava cercada de homens.


Eu sei que havia um que estava do meu lado e que estava fazendo de tudo para não encostar em mim,mas tinha um que estava atráz que não tinha jeito,por mais que ele evitasse seu pau estava encostando na minha bunda,eu é claro que gostei,na primeira viagem já acertar de cheio,e com o movimento do trem eu dava uma empurradinha com a bunda para tráz e ele sem alternativa foi ficando com o pau duro e percebendo que eu estava gostando entrou no clima e começou a me sarrar.


Mas em determinado momento eu percebi que ele estava fazendo outros tipos de movimentos e derrepente senti sua mão levantar minha saia e não sei como ele colocou seu pau para fora da calça dentro daquele trem lotado e encaixou ela na minha bunda,eu é claro adorei aquilo,ele consegui puxar minha calcinha para o lado e encaixar seu pau no meio das minhas pernas,eu tentei até facilitar mas a única cisa que ele conseguiu foi ficar esfregando o pau na minha xaninha sem penetrar,pois tava muito difícil isso acontecer ali.


Minha xaninha já estava muito molhada e isso fazia com que seu pau deslizasse com facilidade no meio de minhas pernas,os movimentos erm nítidos que o rapaz que estava ao meu lado percebeu a situaçaõ e se encostou em mim também e encostou seu pau que já estava duro no meu braço e tirou sua mão que estava em cima segurando no ferro de apoio e conseguiu enfiar ela dentro da minha saia e foi direto na minha xaninha,nossa,eu senti um tesão imenso,e fez sinal para que eu fizesse o mesmo que ele e eu fiz é claro e coloquei a mão dentro da sua bermuda e senti que ele tinha um pau enorme e grosso,ele ficou mechendo no meu grelinho e eu apertando a cabeça do seu pau bem forte e enquanto isso o outro estava com o pau no meio de minhas pernas e eu rebolando cada vez mais.


Num determinado momento senti o que estava atráz de mim se encostar bem e me apertar contra o ferro e senti sair de seu pau aqueles jatos de porra melando minhas pernas todas,aquilo me deixou em transe e não demorei gozei também com a mão do outro na minha xotinha,o que estava atráz tirou rápidamente o pau e guardou me deixando toda melada e não demorou muito também o eu senti o pau do que estava ao meu lado latejar e pronto ele gozou na minha mão,nossa,foram uns cinco jatos de porra,acho que sua bermuda ficou toda suja,eu peguei o restinho de porra que ficou na minha mão e bem devagar para ninguém perceber lambi tudinho deixando minha mão limpinha.


Na primeira estação que o trem parou eu desci correndo e pra minha surpresa,pois estava pensando que ninguém estava vendo,escutei o grito de algumas pessoas do term:


-Vai sua piranha!


-Sua safada!!!!!


Nossa eu não sabia onde enfiar a cara mais depois eu vi que eu estava agindo como uma puta mesmo e adorei aquilo,tanto é que voltei outras vezes para repetir a doze,mas nunca com as mesmas pessoas.

Safada do onibus!!!!!!

Sempre q ia trabahar num determinado horario, via uma moça muito gostosa q sempre usava roupa social. As vezes saia e as vezes calça, mas sempre muito provocante...Sempre tive vontade de encochar akela bunda gostosa, ficava olhando e imaginando. Ate q um dia um onibus na frente do meu quebrou, e muita gente entrou no onibus q eu estava.Percebendo q ia encher muito, eu fui pra perto dela, e conforme foi enchendo, eu fiquei atras dela, mas sem enconstar, a poucos centimetros dakela bunda linda, empinadinha, q eu sempre sonhei em comer...O onibus ficou lotado e qdo começou a andar, eu tinha q me esforçar pra nao enconstar nela, foi entao que eu dei uma encostadinha so pra ver o que ela fazia. Ela nem ligou e eu fui encostando mais e mais, ela sequer olhou pra tras e eu fiquei a vontade atras dela, com meu pau durissimo bem no meio daquela bunda deliciosa. O que me deu mais tesao foi pensar que ela percebeu que eu sempre ficava olhando para aquela bunda gostosa e meio que deixou eu me satisfazer la.Fiquei encostado nela bastante tempo, com um tesao imenso, luoco de vontade de meter naquela bunda durinha e empinada. Dava pra ver pela calça que ela estava com uma calcinha fio dental e isso me deixou mais excitado ainda, comecei a esfregar o pau na bunda dela de baixo pra cima, e a essa altura ela deveria estar gostando, pois empinava a bunda pra tras d vez em quando. Os caras que estavam no onibus começaram a perceber o esfrega esfrega e ela nem ligava, infelizmente tive q descer do onibus e deixar aquela bunda deliciosa pra la.A primeira coisa que eu fiz foi entrar no banheiro de um barzinho e bater uma punheta, pois estava com o pau arrebentando de duro...Comecei a pensar q ia comer ela qdo a visse de novo, ia marcar um motel qualquer coisa assim, mais nunca mais a vi, mais ate hoje penso naquela bunda deliciosa...

Encoxada dentro do Ônibus

INICIEI-ME NA VIDA SEXUAL MUITO CEDO, COM OS MOLEQUES QUE BRINCAVAM COMIGO EM MINHA

CASA,COMEÇOU COM AQUELA BRICADEIRINHA DE MÉDICO, EU FAZIA QUESTÃO DE SER A PACIENTE E ME

LARGAVA NAS MÃOS DELES PARA ME BOLINAREM, ME ACARICIAREM, ME CHUPAREM E TRANSAR DE TODAS AS

FORMAS, NCLUSIVE ANAL, ERA A ALEGRIA DA GAROTADA, E EU GOSTAVA MUITO DISSO, POIS SENTIA

TANTO PRAZER A PONTO DE, DESDE MUITO CEDO, TER ORGASMOS MARAVILHOSOS.EU FUI CRESCENDO, MAS A

TARA CONTINUAVA A MESMA, TINHA UMA GRANDE NECESSIDADE DE SEXO, EU SOU ATÉ BEM APANHADA, DO

TIPO MORENA, BAIXINHA DO BUMBUMZINHO ARREBITADO, O QUE FAZ COM QUE CHAME A ATENÇÃO DE MUITOS

HOMENS. UMA VEZ QUANDO EU TINHA DEZOITO ANOS, EU VINHA NO ÔNIBUS LOTADO DIGA-SE DE PASSAGEM,

E SENTI UM HOMEM ROÇANDO NA MINHA BUNDA, DEI UMA RÁPIDA OLHADA PARA TRÁS E VI QUE ERA UM

HOMEM DE UNS 40 ANOS APROXIMADAMENTE, MEIO RÚSTICO, PORÉM BEM MÁSCULO,VESTIDO UMA CAMISETA

REGATA E UM SHORT DE NYLON,O QUE ME PERMITIA SENTIR MUITO BEM SEU CORPO VIGOROSO,EU ESTAVA

VESTINDO UMA MINI-SAIA JEANS E UMA BLUSA CURTA AMARRADA NA FRENTE QUE DEIXAVA APARECER BOA

PARTE DOS MEUS SEIOS. O CONTATO DE NOSSOS CORPOS FAZIA-ME FERVER DE DESEJO, ME CAUSANDO

ARREPIOS, UMA SENSACÃO INCRÍVEL, ENTÃO DISFARÇADAMENTE EU COMECEI A MEXER A BUNDA ROÇANDO

TAMBÉM NELE, ENTÃO ELE ME PEGOU PELOS QUADRIS DESCENDO ATÉ MINHAS COXAS, NUM LEVE PASSEAR, E

EU, CADA VEZ MAIS EXCITADA,FOI QUANDO ELE SE BAIXOU UM POQUINHO E COLOCOU SUA MÃO DENTRO DA

MINHA CALCINHA TOCANDO MEU CLÍTORIS FRENÉTICAMENTE, SEM PERCEBER EU JÁ ESTAVA COM A MÃO PARA

TRÁS ACARICIANDO SEU PÊNIS POR SOBRE A ROUPA,ENTÃO EU LOUCA DE PRAZER CUDADOSAMNETE, TIREI A

CALCINHA DENTRO DO ÔNIBUS E GUARDEI NA BOLSA, LEVANTANDO UM POUCO A SAIA PARA SENTIR MAIS

AINDA SEU PÊNIS NA MINHA BUNDINHA. ELE COLOCOU SEU MEMBRO PRA FORA PELAS PERNAS DO SHORT E

ROÇAVA COM MAIS VORACIDADE,NÃO DEU PARA PENETRAR, MAS O VAI E VÉM DELE NO MEU REGO,ENQUANTO

SUA MÃO FRICCIONAVA MEU CLÍTORIS, FEZ COM QUE GOZASSE, E AO SENTIR AQUELE LÍQUIDO QUENTE EM

MINHAS COSTAS,GOZEI TAMBÉM QUASE QUE ALUCINADAMETE DE PRAZER, UM PRAZER TÃO IMENSO QUE

ESCORREU EM MINHAS PERNAS.SE ALGÚÉM PERCEBEU ALGUMA COISA ACONTECENDO FICOU QUIETO, TAMBÉM

EU NÃO ESTAVA PREUCUPADA COM ISSO. DEPOIS DE TERMOS ATINGIDO NOSSO OBJETIVO, EU OLHEI PRA

TRÁS DEI UM BREVE SORRISO MALICIOSO E DEI SINAL PARA DESCER NO PRÓXIMO PONTO. FOI UMA

EXPERIÊNCIA SENSAIONAL, QUE NUNCA IREI ESQUECER, E ACHO QUE NEM ELE.VALEU DEMAIS, E ACHO QUE

VALE TUDO EM NOME DO PRAZER.

FANTASIA NO ÔNIBUS COLETIVO

O conto que passo a relatar para vocês aconteceu assim: Seguia de ônibus coletivo em direção ao trabalho, o calor de verão era intenso e como o ônibus estava cheio deixava os passageiros imprensados. Eu viajava em pé, absorvido pelo pensamento de como seria o dia, de como era ir trabalhar com aquele calor imenso e o ônibus lotado.
Mas eis que a vida me prega uma peça, e que peça, fazendo-me esquecer toda a situação em que viajava e até agradecer por ir trabalhar em um ônibus lotado. Só dei conta da morena tesuda de mais ou menos 1,70 m, lábios carnudos, olhos negros, cabelos compridos pretos sobrancelhas grossas, pele cor de jambo, seios de médios para grandes empinados, bunda carnuda, macia e empinada, quando senti algo macio roçando minha coxa, era a morena tesuda, cuja beleza e o perfume me atraíram de imediato.
Maria, este era o nome da morena gostosa, vim saber mais tarde, estava com um vestido estampado, folgado e curto, de alças, com botões na frente, não usava sutien e seus seios quase saltavam para fora.
Olhei nos seus olhos e ganhei um sorriso cúmplice que ao mesmo tempo me deixou excitado e apreensivo. O ônibus cheio facilitava as coisas e outro toque mais a minha frente me deixou pasmo, era a popa da bunda da morena. Ela procurava aos poucos se encaixar à minha frente e já me brindava com uma banda de sua bunda carnuda e macia. Meu membro se pronunciou na hora e procurei encaixá-lo entre as suas nádegas, ela arqueava as ancas para trás, para sentir melhor o meu cacete duro e quente na sua bunda. Seu vestido entrava junto com o instrumento de seu prazer, bem dentro, bem fundo, no cavado de seu bumbum.
Maria estava com uma calcinha que de tão pequena ficava toda enterrada na sua bunda, dava para sentir, e depois pude comprovar pelo tato. A mulher era uma tarada. Suspirava e me balançava o corpo, pressionando aquele bolo de carne macia e quente contra o meu cacete enfurecido. Continuamos dissimuladamente aquele vai e vêm de quadris, aquele balanço libidinoso e alucinante, que ao mesmo tempo me deixava cheio de tesão e tenso, pois a idéia de que alguém poderia notar o que estávamos fazendo me deixou nervoso.
O tesão era tanto que resolvi ousar. Comecei a acariciar a sua bunda carnuda por cima do vestido. Fui alisando-a e sentindo como a sua calcinha estava enterrada na bunda. Desci um pouco a mão e depois fui subindo juntamente com o vestido, sentindo os pêlos macios da parte de trás das suas coxas e a maciez da sua bunda, que estava suada de tesão. Com a minha mão por baixo do vestido, alisava suas nádegas. Puxei a calcinha que estava enterrada na bunda e percorri o seu rego com os dedos, enfiando o dedo médio no seu cuzinho.
Maria estava ofegante. Seu rosto expressava o prazer que estava sentindo. Ela mantinha-se encostada em um banco. Como Maria usava um vestido com botões na frente, resolvi investir. Comecei a alisar a sua xoxota carnuda e gulosa por cima do vestido. Enfiei dois dedos pela abertura entre os botões e tive uma agradável surpresa, a sua xoxotinha estava raspadinha, o que me deixou ainda mais louco de tesão, pois sou tarado por uma xaninha depilada.
Percorri toda a sua extensão, detendo-me no seu clitóris durinho, massageando-o. Maria delirava de prazer. Só não gritava porque estava dentro de um ônibus. Continuei alisando a sua xoxota raspadinha. Afastei a calcinha, que estava toda ensopada pelo seu néctar, enfiei um dedo na sua gruta molhada e fiquei fazendo movimentos circulares, entrando e saindo com um dedo, enquanto o outro massageava o seu clitóris.
Maria abriu um poço as pernas e começou a rebolar, não mais controlando o seu tesão. E assim com um dedo enterrado no cuzinho, outro na xoxota e outro no clitóris, ela se esfregando no meu cacete duro, atingimos um orgasmo delicioso, onde tive os meus dedos encharcados pelo seu mel. Gozei deixando a minha cueca toda lambuzada de porra. Foi um prazer indescritível o que tivemos. Antes de chegar no ponto em que ia descer, aproveitei para cheirar os meus dedos lambuzados e sentir o aroma daquela xoxota saborosa. Mas a sensação de termos sidos observados estava presente. Descemos no mesmo ponto, nos cumprimentamos e fizemos comentários sobre a loucura que havíamos feito. Maria estava perplexa, aquilo nunca tinha acontecido, mas disse ter perdido totalmente o controle. Prometemos um novo encontro para terminar o que havíamos começado, dessa vez sem ninguém por perto.
Aguardo contato de vocês, que assim como eu, curtem a realização de fantasias, com muito tesão, discrição, sigilo.
E-mail/MSN: sr-fetiche@hotmail.com

Sexo na obra em Niterói.

Bom, esse é meu primeiro conto. Sempre li os contos e sempre tive a vontade de publicar algumas de minhas aventuras sexuais. Hoje vou contar o que aconteceu comigo, na semana passa, aqui em Niterói/RJ. Meu nome é Lorena, sou morena, com 23 anos, por força do meu nome mantenho meu cabelo loiro (luzes), mais não aquele loiro forte, procuro sempre ter uma cor mais natural, malho todos os dias, corro na praia todos os dias, ou seja, não me acho bonita, mas faço de tudo para que os homens achem, tenho 1,64m, peso 53kg, bem definidos e distribuídos, tenho a marquinha de praia que os deixam loucos, bundinha empinadinha, e uma rachinha bem bonitinha, pois estou sempre no salão cuidando dela, para surpreender meus namoricos.
Indo ao assunto, depois que comecei a ler os contos aqui neste site, comecei a pensar em várias situações que poderiam acontecer comigo e que eu ficaria louca. E uma delas é a que vou contar, pois aconteceu.
Sempre tive vontade de ser possuída por um homem, grosso, sem jeito e principalmente estranho, que na verdade eu não soubesse nem seu nome. E mais, que fosse um pedreiro, um peão, mestre de obras, ou seja, coisas desse tipo. Mas sempre tive medo, por causa da violência que hoje nos encontramos, porque oportunidade pra isso nunca faltou, até porque aqui na minha cidade, diversos prédios estão sendo construídos, e sempre quando passo por eles, recebo diversas cantadas, aí seria mole, é só dar um risinho e pronto, pau duro na hora.
Mas eu queria um negócio diferente, como se fosse um acaso, um tesão e só, para depois nunca mais vê-lo. Nesse dia chovia muito, e eu estava dentro do meu carro, com o transito congestionado e a rua alagando e alagando muito, a ponto de ter que sair do carro.
Nessa hora, subi em uma calçada alta para que meu carro não fosse alagado, parei em frente a um edifício em construção, na frente dos compensados que protegiam o canteiro de obra, tinha uma espécie de guarita, e lá se encontrava um senhor de mais ou menos uns 40 a 45 anos. Ela era um senhor de cor, nada bonito, mas com uma aparência de ser bem forte e conservado, medindo mais ou menos 1,80m, devia pesar seus 85Kg, cabelos curtos e muito educado.
Quando ele percebeu minha dificuldade de visibilidade, em virtude da forte chuva, ele desceu e me ajudou a estacionar. Como eu parei o carro e não saí de dentro, ele veio com um guarda chuva, e perguntou se eu precisava de algo, quando respondi que não, ele me cumprimentou e eu o agradeci, daí ele voltou para dentro da guarite.
Era noite existia e parecia não existir mais ninguém junto dele, e quando dei por mim, lembrei de minha fantasia, ou seja, era o acaso que eu estava esperando.
Ocorre que eu também não poderia sair sozinha, porque usava uma blusinha leve branca, e se molhasse iria aparecer meus peitinhos, que por sinal, na medida certa, e também porque não uso sutiã. Eu usava ainda uma calça jeans bem justa, que desenhava minha calcinha.
Quando então, já possuída pelo desejo do acaso, mas sem dar a entender, pisquei o farol para chamá-lo, e nada, pisquei denovo e nada, nessa hora minha xaninha também piscava. Rsrsr. Até que não agüentei e buzinei, chamando assim mais a sua atenção.
Ele novamente veio até Amim, e perguntou se eu havia o chamado, quando respondi que sim, pois estava muito apertada para ir ao banheiro, e se lá existia algum. De imediato ele respondeu que sim, abrindo a porta do carro, me oferecendo a metade de seu guarda chuva. Na hora que levantei, seus olhos não saiam de meu decote, e quando percebi, facilitei su\ visão, sem que ele percebesse, a não ser os peitinhos que de imediato deram sinal de alerta ligado, mas não sei se ele se ligou nisso.
Em direção a obra ele se ajeito atrás de mim, mas com todo o respeito, ele não se encostou em mim, mas estava tão perto que eu sentia sua respiração em minha nuca, o que me deixou louca.
Na hora de entrar pelo portão, sem que ele percebesse empinei minha bundinha disfarçadamente, o que causou a primeira roçada. Hummm, adorei. E acho que ele também, pois senti que meu pedreiro, já estava com más intenções. Mas continuei e fingi que nem percebi.
Quando cheguei ao banheiro, observei que não tinha papel higiênico, fui a minha deixa, pois tirei apenas minha calçinha com intuito de usá-La como isca para meu macho, pois não estava com vontade nenhuma de ir ao banheiro, e a joguei na lixeira do banheiro, com o intuito de provocá-lo.
Assim que saí, ele veio com o papel na mão dizendo que estava indo buscar lá dentro e por isso demorou. Eu respondi que não precisava pois já tinha dado um jeito. Curiosamente ele perguntou qual foi o jeito. Quando respondi que usei a calcinha. Ele não acreditou, quando respondi que havia jogado na lixeira do banheiro.
Na hora ele brincou com algumas palavras e seguimos a saída. Mais chovia muito ainda, e ele me ofereceu o guarda chuva, mas que não iria adiantar, ois não poderia sair ainda com o carro.
daí,perguntei se poderia ficar um tempinho alí com ele, sendo aceito na hora. Minutos depois, eu obseervando uma certa ansiedade, e pediu licença e foi ao banheiro, até aí tudo bem, mas demorou bastante, até que fui procurá-lo, quando o peguei com minha xeirando minha calcinha.
Na hora me fiz de sangada, dei uma chamada e o mandei me entregar de volta, já partindo para égar e ele desviou, até que em uma dessas tentativas, eu consegui pergar uma ponta para puxá-la e ele se virou por de trás de mim impedindo que eu pegasse.
Quando então senti aquele mastro viril encoxar em minha bundinha. Adorei. Mas ainda forçando recuperar minha calcinha, e na mesma posição encostada naquele mastro, pedi para ele parar que eu tinha que ir embora, mas não com o mesmo tom de voz e ao mesmo tempo forçando minha bundinha para trás, quando então ele falou no meu ouvido que achava que aquela calçinha não era minha, porque era muito pequena.
Eu na mesma melação disse que era sim, então ele mandou eu provar, que se eu provasse que a calçinha era minha ele soltaria e me deixaria ir. Eu respondi que não tinha que provar nada, pois a calçinha era minha e pronto. De imediato, não sei como, porque aquela mão grande e eu com uma calça muito justa, senti sua mão me invadindo por dentro da calça e chegou na minha xaninha que estava toda encharcada de tanto tesão que eu estava.
Eu tentei brigar mais a reação me entregou, pois sem querer dei uma pequena gemida, mas continuei tentando a sair, sendo todas em vão, e sua mão já massageando no meu ponto fraco. E nesse puxa de um lado e puxa do outro, eu já não tinha reação de defesa, e ele notando aos poucos foi me levando para debaixo da construção, até que me encostou em uma parede e disse. Você é a mulher mais cheirosa e gostosa que esteve tão perto de mim. E eu nada respondia, só pedia para parar, e isso apenas de encenação, pois estava realizando uma de minhas fantasias.
Ele tirou a mão de dentro da minha calça e abriu o zíper, descendo-a até meus pés, e confirmou que eu estava sem calçinha. Nessa hora eu retruquei dizendo que ele havia dito que me deixaria ir, se fosse verdade sobre a calçinha. Como ele estava abaixado atrás de mim e com minhas calças arriadas, ele rapidamente deu uma lambida na minha xaninha que chegou até meu cuzinho, que quase gozei, em uma só e ao mesmo tempo, me soltou e disse: -Pode ir, palavra é palavra.
Não acreditei. Mas tive que me arrumar. Ele me soltou, mas não saiu de trás, então abaixei para puxar a calça, e direcionei minha bundinha em sua direção. E ele não resistiu. Aí, meu deus, quase morri, porque tomei outra linguada que parecia um pau me comendo, só que em vez de sair, eu continuei na mesma posição, e pedindo para parar, porque palavra era palavra.
Ele me respondeu que cumpriu a palavra dele, e que eu tinha oferecido naquela hora minha bucentinha. Daí, não deu outra. Fiquei em pé com as pernas abertas, as mãos na parede e ele me chupando de uma forma que nunca vi, uma delícia, mordia minhas nádegas, metia o nariz no meu reguinho, depois metia a língua, voltava pra minha bucetinha, mordia entre as pernas, só sei que não agüentei e comecei a gozar feito louca, e ele não deixando descer uma gota do meu mel, quando fiquei então paralisada com as pernas tremendo de fraca que fiquei. Ele se levantou ainda com aquele mastro oculto, e começou a falar comigo beijando meu pescoço nas costas, começando a me deixar arrepiada e por conseqüência me fazendo a empinar a bundinha.
E ele dizia, acho que você quer ser fodida né filezinho, Eu nada dizia. E ele disse que pelo o horário iria chegar o supervisor e que não poderia me ver lá, que mataria meu desejo rapidamente. Isso parecedia que ele havia advinhado. Ele então me pegou, com uma facilidade que eu me senti uma bonequinha de porcelana, não mão daquele cara, e pensando em diversas coisas que ele ia fazer comigo, pois não sabia para onde estava me levando, só sabia que era lá pra dentro do prédio em construção, daí me colocou sentada em alguns concretos e aí sim, e me apresentou seu instrumento de trabalho.
Quando olhei, apavorei, e disse que aquilo eu não agüentava. Ele riu e disse que sim, que uma mulher como eu, agüentava qualquer pau. Daí pegou minha mão e levou até seu pau, fazendo o movimento de uma punheta, me pedindo para chupar. Obedeci e caí de boca. Pronto estava realizando meu sonho, Aí comecei chupar que nem uma puta, da mesma forma que eu aprendi vendo os filmes pornôs com meu namorado, e meu pedreiro só me elogiava e me chingava ao mesmo tempo, der repente ele segura minha cabeça, tirando de meu controle a entrada e saída do pau em minha boca, e começa a socar forte indo até lá dentro de minha garganta, até inchar e jorrar leitinho na minha guela, que por sinal adorei e bebi tudo, o que jamais havia feito.
Depois do leitinho ele afrouxou minha cabeça e eu continuei limpando aquele pau todo. Após me levantei completamente possuída pelo desejo, pedi para ser fodida, quando para minha surpresa e corretamente, ele disse que não poderia, pois estávamos sem camisinha. Isso me deixou mais louca ainda por ele. Daí fui ao banheiro me limpei e me arrumei, quando coloquei a calçinha, ele riu e me chamou de putinha e de artista, pois tudo que aconteceu era armação minha. Eu ri e fui pro carro, pois a chuva já havia melhorado. Nisso um cara estava chegando.
Quando entrei no carro, meu pedreiro me chama diz que o supervisor chamou sua atenção e provavelmente iria despedí-lo, porque permitiu minha entrada no canteiro de obra, pedindo então que eu explicasse o motivo, ou seja, de ir ao banheiro, e eu como uma boa menina, fui. Ele ainda disse para aguardar, que ele iria até a fármacia e voltava logo, enquanto eu conversava com o supervisor. Nossa...... Mas isso é outra história.

Aventura sexual na Radial

Olá Pessoal! Aqui vai mais uma história real que aconteceu à mais ou menos três anos atrás.
Nessa época eu tinha um rolo, e que rolo! Nos conhecemos no ônibus ainda na época da escola quando éramos inocentes.Depois da nossa primeira transa decidimos que aquilo era pra sempre! Tudo era um encaixe perfeito, fazíamos tudo sem frescura, delirávamos, era essencial! Transávamos quatro cinco vezes por mês, não parece muito mas para alguém que namora era sim!
Mas vamos ao que interessa!Esse meu rolo havia me falado de uma casa de Swing, ele nunca tinha ido e me chamou. No dia do meu aniversário estávamos lá, ambos tímidos, nem parecia aquele casal safado de antes! Curtimos um pouco só, não nos soltamos pois era nossa primeira vez lá, vimos muito sexo aquilo nos deixou animadíssimos! Transamos, mas meio que no escuro, realmente não foi das melhores.
No carro de volta pra casa meu rolo sentiu que eu não estava muito animada, olhava pra fora com o cotovelo na janela pensando que da próxima vez teríamos que arrebentar! Eu estaca usando um vestido curtíssimo prata que cobria meus seios mas deixavam as pernas e quase meu bumbum bem a vontade, como não podia sair de casa daquele jeito levei uma calça de lycra e já tinha colocado. Enquanto dirigia ele começou a olhar pra mim, para o meu corpo e disse: Tira essa calça! Eu entendi na hora eu fui tirando bem devagar, deixa a mostra minhas pernas. Começou a passar a mão nas minhas coxas bem devagar com leves apertos, e não conseguia se concentrar muito na estrada, mas assim foi, os dedos foram deslizando até a minha bucetinha já toda molhada por aquela onda de aventura e tesão que tinhámos acumulado naquele lugar! Quando vi ele ja estava me masturbando bem gostoso, minhas pernas ja estavam quase em cima do cambio, eu delirava de olhos fechados rebolando um pouco naqueles dedos que me faziam gemer a cada segundo, eu olhava pra ele mordendo os lábios e não podia deixar de notar que ele estava louco com aquele volume enorme dentro da calça! Estávamos na Radial com os vidros abertos pois fazia muito calor aquele dia, quando me deparei com o caminhão de lixo bem do nosso lado! Os lixeiros deliravam e gritavam eles observa-nos como se fosse um show! (e era) quase batemos o carro naquela hora, ele acelerou mas o caminhão vinha e continuavam a delirar e gritar com aquela cena, eu estava adorando! rs. Depois de eu gozar nos dedos dele chegamos em casa, mas aquilo não nos satisfez, fomos para a rua de trás da minha casa ele parou o carro em um local estratégico, comecei a beijá-lo loucamente ja abrindo o botão e o zíper da sua calça, estava louca para cair de boca naquela rola cor de chocolate e me lambuzar toda!Cai de boca gostoso como se fosse uma criança com seu primeiro pirulito, ele gemia delirava eu chupava e gemia ao mesmo tempo, sulgava com vontade batia com ele na minha língua ele segurava nos meus cabelos eu apertava as coxas dele ele descia com a mão na minha bucetinha que ja estava molhada novamente sensível inchada de tanto que ganhou atenção! Em um instante me deitei de costas pra ele apoiando os braços no banco de trás empinando bem o meu rabinho para que metesse com força, e ele o fez, começou a bombar sem parar nossos gemidos naquela hora viraram um só ele me xingava a todo momento eu dizia pra ele me foder gostoso e ele fodia ainda mais, meu líquido ja tinha manchado o solado do carro sentia o suor pingando em mim e aquele tesão só aumentava aquela rola me saciava demais era dura igual rocha, grossa, comprida e me arrombava a cada movimento, a cada estocada, meu grelho ja estava explodindo, já não conseguia mais pensar em nada meu corpo tremia e eu queria mais! Aquela transa durou bastante, foi quando senti aquele pau estremecer dentro de mim soltando todo seu leite acumulado pronto pra sair dali! Juntos respiramos fundo e ficamos deitados daquele jeito por alguns minutos. Depois de nos vestirmos não precisamos dizer nada, só nossos sorrisos falavam por nós!
Espero que gostem! Logo logo tem mais!
Beijos MulataQuente.

Uma encoxada muito louca

Olá queridos leitores! Como todos sabem sou a MulataQuente e já tenho alguns contos aqui no site, mas para quem não me conhece sou mulata, baixinha, cabelos compridos lisos castanho escuro, seios grandes, bundinha redondinha empinadinha e uma cara de safada sem igual!
Em um dos meus contos aqui do site eu cito uma fantasia que sempre faço que é ser encoxada no metrô e ônibus e que adoro um estranho atrás de mim roçando o pau ou me masturbando bem gostoso.Apesar de eu gostar muito disso, não gosto de manter contato, conversar, trocar telefone, nada disso! Gosto que tudo aconteça e que depois cada um vá para seu lado. Bom nesse conto que vou contar (também verídico) foi bem diferente.
Em uma manhã fria de outono eu fui a luta! Sim, pegar o buzão lotado para ver se conseguia alguma bulinada e claro direto para o metrô porque lá tinha certeza que iria conseguir. Vesti minha calça de academia preta bem socada no bumbum, tênis, e uma blusa de frio da adidas preta também que deixava meu bumbum bem exposto pra quem quizesse ver ou sentir. Apesar de estar frio estava um solzinho então coloquei meus óculos escuros( indispensáveis para esse momento) e fiz um coque no cabelo pois estava com preguiça de arruma-los.
Sai peguei o primeiro ônibus lotadão, eram umas seis e pouco da manhã, entrei e com bastante sacrifício fiquei bem no meio daquele povo todo. Passou um tempo e senti uma mão percorrer meu bumbum, a mão deslizava devagar pra cima e pra baixo bem gostoso e ja fiquei super excitada sem nem saber quem estava se deliciando, a mão foi ganhando mais liberdade e começou a deslizar com mais força e vontade só com aquela passada toda ja dava para sentir que o cara estava com um tesão imenso! Aquela mão grossa grande ja estava bem no meinho do meu rabinho procurando pela minha buceta desesperadamente e encontrou! começou a me masturbar bem gostoso me deixando cada vez mais meladinha e ja não conseguia mais esconder esse tesão louco! Mas acabou quando o onibus foi esvaziando e ele teve que sair dali! O ônibus chegou ao metrô, desci sem olhar para os lados afinal não queria nem saber quem tinha me dado aquele prazer gostoso!
Chegando na plataforma lotada me posicionei na primeira onde havia uma muvuca de pessoas já mas nada me aconteceu, droga! Vou ver se tenho alguma sorte ao entrar no metrô e me posicionar atrás de algum tarado que queira se aproveitar de mim nem que seja por alguns minutos! Mais uma vez nada! Apenas mulheres ficaram atras do lado na frente era mulher por todo canto! Que azar! O metrô parou na estação sé e desci em direção as escadas rolantes, lá eu podia ter uma visão ampla de tudo e todos, para a minha feliciadade estava abarrotado de gente! Fiquei na primeira plataforma em frente as escadas (onde sempre fica mais cheio) e esperei minha vitima que se tornaria meu tarado e eu a vitima rsss.
Estava tudo normal quando senti uma coisa dura atrás de mim que até pensei que era uma arma de tão dura! Olhei disfarçadamente e vi um homem de sobretudo beje com as mãos nos bolsos, ele tinha o cabelo raspado, moreno claro aparentando seus trinta e poucos anos, uma cara de safado que se via de longe! Ali mesmo eu fiquei, sentindo aquela pica enrijecida quase explodindo atrás de mim cutucando com força meu bumbum! A plataforma enchia o metro não chegava e aquele pau tava quase rasgando o meu rabinho! Era delicioso sentir pulsar querendo se esconder dentro de mim fui me arrepiando meu coração disparado aquele tesão foi invadindo meu corpo me possuindo, a única coisa que queria aquele momento era ficar de quatro para aquela rola entrasse dentro de mim!
O metrô chegou entrei com ele grudado atrás de mim e dali ele não saiu. Agora mais ousado segurava na minha cintura e empurrava sua pica no meu bumbum com froça, dava pra sentir sua respiração ofegante e seu gemido quase mudo! Confesso que estava gostoso, mas fiquei com um pouco de medo por ele estar sendo tão "violento". Eu ja estava enxarcada e aquilo durou até a estação paraíso onde a maioria desce e pensei que ele fosse descer também! Estava enganada! Eu sai dali e me sentei, ele ficou em pé parada na porta e olhava toda hora pra mim, como eu estava de óculos escuros só olhava pra frente mas não conseguia disfarçar meu nervosismo! Foi passando as estações e o metro foi ficando vazio e aquele bendito não descia! Pensei: "caramba acho que fui longe demais! esse cara deve ser um tarado e vai me seguir! o que eu vou fazer?" Em um ato distraído o metrô parou na penultima estação, eu levantei rapido enquanto ele não olhava e sai pela porta de trás mas ele viu e saiu também! Subi as escadas quase que correndo e parei em frente aos guardinhas que ficavam la em cima! fingi que estava falando no celular e vi ele passar a roleta, senti um alivio, mas ele voltou e me viu ! Começou a me chamar e nem dei atenção. Pois não é que ele voltou pagou de novo e veio até mim? fiquei sem saber o que fazer!
- Porque você deixou eu fazer aquilo com você hem? Qual seu nome?
Eu não queria responder, não queria nenhum contato! Mas me encontrei num mato sem cachorro e aquele jeito dele me olhar fez a minha bucetinha latejar! Olhei bem ele era bem bonito, charmoso do tipo solteirão independente e que sabe seduzir.
- Não sei porque deixei! Acho que porque estava gostoso! Meu nome é ........... e o seu?
Não deu outra começamos a conversar e ficamos em um papo muito agradável e longo. Ele me pediu um beijo fiz um chame mas não resisti! beijei aquele estranho em frente as roletas, acho que os guardinhas não estavam entendendo nada!
Fomos para o outro lado onde não passava quase ninguém e começamos a dar uns amassos bem gostosos. Ele me beijava loucamente com muito tesão eu sentia seu coração disparado aquele sobretudo me cobria toda! Ele foi passando a mão no meu pescoço e desceu para os meus seios massageando eles apertando abriu o ziper da minha blusa enfiou a mão por debaixo da outra blusinha e acariciou os biquinhos deixando-os mais duros do que ja estavam! Desceu a mão e encontrou minha bucetinha enfiou a mão por dentro da calça e disse : "Nossa que delicia toda meladinha" eu disse : "Foi você que deixou ela assim" Ele me masturbou gostoso e começou a socar o dedo simulando sua pica me arregaçando. Deslizei minha mão pelo seu peito e quando enfiei ela por dentro de sua cueca toda melada ja me deparei com aquele pau! Nossa que pau era aquele que grossura era muito grosso muito mesmo! Aquilo me deixou malucaa comecei a bater uma punheta bem gostosa pra ele e qdo alguém passava nós nos abraçavámos rindo da situação! Eu estava tão molhada que sentia os dedos dele escorregarem pela minha xoxota, ele procurou pelo meu rabinho e brincou um pouco com ele!
Quando olhei no relógio não acreditei e ja eram meio dia, perguntei se ele nao tinha que trabalhar ele disse que sim mas que iria dar uma desculpa para o chefe! " Com certeza ele era um deles para chegar tão tarde". Paramos pois começou a passar muitas pessoas por ali! Apesar dos amassos gostosos eu coloquei na minha cabeça que não queria contato nenhum com esses caras ! Ele pediu meu telefone e não dei, disse para ele dar o dele e ele o fez. Nos despedimos e fui embora não acreditando no que tinha acontecido! Foi demais!Guardei o telefone e não liguei, apesar de ter sido muito bom não queria contato mesmo.
No outro dia fui a luta novamente! Afinal aquela era minha rotina. Fiz o mesmo processo de sempre e finalmente cheguei na sé. Parada esperando o metrô eu escuto uma voz no meu ouvido: " Que beleza! Porque você não me ligou?" Era ele ali! Só poderia ser perseguição! Conversamos ele me deu umas boa encoxadas e disse para irmos para outra estação, uma vazia, topei na hora e fomos. Chegando na tal estação ele me colocou na parede e começou a me beijar bem gostoso seu pau ja estava estralando dentro da calça ele colocou pra fora e disse: " Olha como vc me deixa" Não aguentei e disse no ouvido dele : " Queria sentir o gostinho dele" Aquilo fez com que ele respirasse fundo e passasse a mão pela cabeça, eu entendi abaxei rapidinho e dei uma bela chupada rapida afinal estávamos em público, não que eu ligasse para público mas aquilo era atentado ao pudor! Ele ficou louco colocou meu peito pra fora e começou a mamar enquanto ele mamava eu olhava pra ver se alguem estava nos observando! Aquela onde de tesão e loucura nos fez esquecer onde estávamos ele me colocou de costas e foi me encoxando e gemendo no meu ouvido me chamando de gostosa e eu deixava ele louco eu dizia que ele era um safado e ele me apertava todinha...Disse pra gente ir para um motel e ele disse que tinha que ir trabalhar, aquilo acabou comigo! Fomos embora e dessa vez ele pegou meu telefone!
Nos falávamos todos os dias foi então que comecei a trabalhar não deu mais para eu pegar o metrô de manhã pois iria estudar de manhã e trabalhar a tarde.
Em uma noite que estava quase indo embora para casa ele me liga e diz que quer me ver, disse que tudo bem, então ele me disse para eu descer na estação de trem e la ele iria me buscar, obedeci. Por sorte um amigo meu ia pelo mesmo caminho e fui conversando com ele. Chegando na estação eu o avistei. Ele tinha raspado mais o cabelo e estava em cima daquela moto linda só me esperando! Aquele dia quer dizer aquela noite iria prometer! Dei um beijo nele subi na moto e partimos para a casa dele....
Mas essa é uma outra história.....
(CONTINUA)
MualataQuente.

Masturbada no metrô.

Olá pessoal! Como todos já sabem sou a MulataQuente e já tenho alguns textos aqui publicados cujo o primeiro se chama "Encoxadas no metrô". Antes que leiam este conto, dê uma espiada no primeiro para vocês entenderem melhor.
Tudo que for relatado aqui é real e aconteceu á alguns dias atrás...
Acordei em uma segunda bem cedo e bem disposta, tomei aquele banho gostoso fiquei bem cheirosa...olhei pela janela estava chovendo não muito forte mas aquela garoa fina e chata.Coloquei uma calça de lycra azul marinho, uma blusinha e uma outra blusa normal por cima, claro antes vesti a menor calcinha que vi na gaveta.Deixei os cabelos soltos passei perfume, creme peguei meu óculos escuros (de lei) e fui para o ponto.
Cruzei os braços e fiquei esperando pelo ônibus mais cheio, passou um, dois, todos não muito lotados, até que veio um abarrotado de gente que dava para ver de longe, ao contrário das outras pessoas abri um enorme sorriso rs.
Entrei ja me espremendo no meio de bastante gente na frente até que parei pois não dava para passar.Olhei para o lado e vi um homem aparentando uns trinta e poucos anos sentados em um dos bancos baixos da frente que não eram de idosos, me enfiei ali até ficar com a minha bucetinha bem em seus ombros e consegui. Demorou um pouco até que ele acordou e percebeu eu bem ali roçando a xoxota em seu ombro...ele olhava pra mim mas eu fingia que nada acontecia.Ele começou a se mexer no banco para ver minha reação mas eu não movimentava um músculo queria ficar ali até ele perceber o que eu queria.Com o movimento do buzão minha xota quase que sulgava aquele ombro fui ficando muito excitada com a situação e com certeza ele também. Percebendo que não fiz nada ele segurou o braço deixando seus dedos alisarem minha xoxota...foi deixando até deixar o indicador esticado sumindo no meio das minhas pernas...aquilo me deixou louca! eu fazia movimentos pra frente e pra trás e ele não tirava o dedo dali...até que fiquei parada e ele começou a me masturbar bem gostoso...os movimentos do dedo foram aumentando eu já estava enxarcada louca de tesão, ele pegou a mochila que segurava e colocou bem colada ao peito fazendo desaparecer sua mão na minha xoxota ...ele segurava apertava e alisava ela muito...minha xota pulsava demais ja sentia ela inxadinha...ele suspirava e mal parava quieto no banco até que percebi que ele estava se empolgando demais e as pessoas podiam perceber ...olhei para o lado e fui em direção a catraca, passei e fui me enfiando para trás.Ufa...foi delicioso mas não posso abuzar.Parei quase que no fundo do bus, desta vez fiquei no meio, bem no corredor eu mal segurava no ferro.Senti uma mão meio que batendo encostando no meu bumbum mas percebi que era só um teste, dei uma olhada e vi um rapaz de uns vinte e pouco anos atrás de mim, olhando pra fora como se nada estivesse acontecendo...Empinei meu bumbum e ele foi deslizando sua mão bem de leve...depois ficando mais pesada...dando uns apertos bem gostosos..foi descendo a procura do meu rabinho e minha xoxota e deslizou aquele dedo comprido nela por trás..aquele dedo foi deslizando muito ....cada vez mais forte e feroz..parecia que ia rasgar minha calça..estava enlouquecida de tesão..para a minha sorte havia um cara na minha frente também e comecei a encostar meus seios nas costas dele...ele olhou e foi um pouco mais para trás se virou um pouco de lado com o braço esquerdo segurou o ferro com o direito veio por baixo e começou a alizar os biquinhos que estava estourando a blusa ...até que o de trás me disse no ouvido:" gostosa vamos descer aqui vamos"...eu não respondi...ele tirou a mão e disse:" tenho que ir gata vamo comigo " e desceu...o da frente continuou mas ele era muito mole...saí dali e por sorte uma mulher levantou bem na hora, sentei e fiquei lá quietinha até chegar no metrô.
Me posicionei na primeira porta como sempre, e vcs sabem como é são paulo, choveu-parou.Pois é estava tudo parado, o metrô andando devagar e parando a cada 15 segundos.Fiquei espremida naquela multidão e nada...quando veio a próxima estação um homem entrou com tudo e parou bem na minha frente quase me esmagando, as portas fecharam e eu ja vi q ele estava com maldade...fiquei desse jeito..com meu peito encostando no dele quase na barriga, coxa na coxa e eu não conseguia levantar nem o pé, foi quando eu senti aquele volume roçar minha xoxota ai q delicia...ele coloca o quadril pra frente sem dó e seu pau roçava gostoso e ficava cada vez maior..aquilo deixou meu melzinho percorrer pelas minhas pernas...ele viu q eu deixava então arrumou o pau para que ficasse o mais reto possível para roçar..e o fez parecia que eu estava em uma gangorra..que gostoso...ficamos nisso até a estação sé e descemos...ele foi andando devagar para que eu passasse na frente mas fui bem mais rápida e dei de cara com uma multidão parada no começo das escadas rolantes. Fui entrando entrando, mas estavam bloqueando o acesso, fiquei por ali mesmo.Um senhor baixinho de uns cinquenta e poucos passou a mão no meu bumbum sem titubiar deixei um pouco mas sai fui mais para frente onde só haviam homens fiquei bem no meio deles...senti um cutuvelo nos meus seios e deixei...ele massageava gostoso até que cruzou os braços e encheu a mão com ele...ele foi pra minha frente e colocou a mão para trás procurando minha buceta..e achou! Brincou com ela bem gostoso minha calça ja estava toda melada fazia um tempo..ele batia nela com dois dedos deixando meu clitoris mais sensiveis...cutucou o amigo dele que estava do lado mas que nem tinha reparado coxixou..ele olhou para trás e foi para trás de mim discretamente e começou a me encoxar gostoso...passando as mãos na minha coxa no meu bumbum...suspirando atrás de mim...e o amigo dele ainda me masturabando...fui á loucura...estava em êxtase total..liberaram as escadas e fomos descendo...ainda lá embaixo estava muito cheio os amigos trocaram de lugar mas continuaram a brincar com meu corpo....quanto mais íamos para perto do metrô mais ele me bulinavam e abusavam pq as pessoas empurravam sem dó....senti as mãos nos meus seios ..senti ofegar no meu ouvido..até que o de trás procurou minha xota e enfiou a mão por dentro da minha calça colocando minha calcinha de lado e enfiando os dedos nela..os dedos deslizavam de tão melada..."vc ta me deixando louco!ta toda molhada sua gostosa safada"...brincava com meu clítoris estava a ponto de gozar muito na sua mão...ele tirou a mão e perguntou onde eu ia descer eu disse que só estava passeando...ele disse: "Vamos para outro lugar eu vc e meu amigo o que acha? a gente falta no trampo vamo?" Eu disse que era melhor não então fomos nós três conversando até chegar na estação paraíso.Expliquei minha fantasia para eles, subimos e fomos para uma escada normal que quase não passava ninguém...um começou a me beijar o outro colocou um seio meu pra fora e começou a chupar alisando minha buceta enquanto o outro colocava minha mão na sua pica e comecei a masturba-lo bem gostoso...beijei o outro enquanto meu seio era chupado..peguei nos dois paus e masturbei por cima da calça..ja estavam os dois meladinhos...eles insistiam em querer me levar para outro lugar mas fiquei reciosa. ..depois de muita masturbação bolinada chupada muito tesão notamos algumas pessoas vindo por ali..descemos as escadas ...e ficamos conversando no banco que fica na plataforma...dei meu telefone para eles e disse que tinha que ir embora...
Eles vão ligar...mas não pro número certo....
Espero que gostem.
MulataQuente.

Encoxando uma crente no gideão

sou conhecido como Boca, e tenho uma verdadeira tara por encoxar, o fato ocorreu no congresso de crentes dos gidões em balneário camboriú, logo na entrada vc já fica louco com tanta crente de vestidinho colado com aqueles rabão e a calcinha toda enfiada na bunda! dentro do ginásio fica todo mundo espremido, no primeiro dia encoxei algumas bundinhas de umas meninas novinhas, que pulavam na minha frente e quase sentavam no meu colo,..rsrsrsrs... sabia que de santas elas não tinham nada, pois sentiam o volume da minha pica forçando naquelas sainhas de pano e cada vez mais elas forçavam a bunda pra trás e faziam caras de bem safadas ! rsrsrs... mais o melhor foi no segundo dia entrou um coroa que parecia pastor ou obreiro sei lá, eu sei que eles pararam no corredor ao meu lado, e eu pensei logo, esse coroa não aguento isso tudo de mulher, a mulher do cara devia ter uns 1,80 mts de altura , pernas grossas e um lindo par de peitos, cabelo loiro até o meio das costas, resumindo a mulher do velho era um avião e ele um fusquinha ! rsrsrsrs... nossa ela usava um vestido azul bem fininho, eles pararam ao meu lado e a mulher dele ficou encostada em min, na hora eu fiquei com um tesão danado nela, mais tive que me segurar afinal o marido tava alí ! no dercorrer do tempo fui disfarçando e entrei atrás dela dando espaço pra ela na minha frente que de pronto ela entrou no jogo, não tinha nem como disfarçar pois meu pinto parecia que ia explodir na cueca, de tanto tesão que eu tava pela mulher do cara, ela tinha uma bunda maravilhosa e a safada tava com a calcinha toda enterrada na bunda ! dei uma encostada de leve só pra ver a reação dela, e ela nada, fui encostando mais um pouco e ela empinou aquela bunda maravilhosa pra min, quasei desmaiei de tanto tesão, apartir daí o cornão do marido dela foi pra frente dela deixando aquela delicia bem na minha frente !! forçava a pica bem no meio da bunda dela e ela forçava e empinava aquela bunda pra min, teve uma hora que ela colocou a mão pra trás e encostei a pica dura na mão dela e ela fingia passar a mão na bunda e ficava fazendo carinho na minha pica, meti a mão dentro da calça que eu usava e coloquei a cueca por baixo do saco pra ficar com a pica livre, eu usava uma calça social preta. aí que ficou o show da terra !!! rsrsrrsrs, fui roçando até que não aguentei e gozei por dentro da calça e achoque sujou a saia dela, no mesmo instante sai de fininho e fui no banheiro me limpar , olhei pra trás e vi a mulher do cara com um sorrisinho sacana e me acompanhando com os olhos !! rsrsrsrsrs 

A menininha cresceu.... E adora uma encoxada.

Quando eu era casado, uma amiga de minha esposa frequentava nossa casa. Ela tinha uma filha e sobrava para mim o serviço de babysitter. A menina se chamava Iara, Iarinha para todos, e ela, não sei porque, era apaixonada por mim. A menina tinha 8 anos e adorava o meu colo. No início eu achava que eram apenas meus pensamentos sujos, mas descobri que não eram. A menina alisava o meu pau e uma vez apalpou-o de verdade. Não falei nada para a mãe da menina e também não deixei ela subir mais no meu colo. A menina foi crescendo e, de vez em quando, eu abaixava a guarda e ela dava uma patolada em mim, ou apertava minha bunda. Eu fugia, pois ninguém iria acreditar que uma menina de 9 ou 10 anos estava me assediando. Aos 12 anos, Iarinha já tinha seios bem formados, curvas e quadril definidos. De rosto, ela era linda pois havia puxado a mãe. E a mãe brigava com a filha para comer menos pois a menina estava ficando com quadril. O fato era que a menina, além de linda de rosto, estava ficando muito gostosa. E a safadinha vinha visitar-nos com blusinhas super decotadas e microssaias. Era só ficarmos sozinhos para ela ficar na minha frente e se abaixar para mexer no tênis, exibindo os seios (a putinha tirava o soutien assim que a mãe nos deixava sozinhos) ou a calcinha fio-dental toda enfiada na bunda. Porra, apesar de ser menina, ela já parecia mulher e me deixava muito excitado, mas era chave de cadeia, do tipo crime hediondo com 6 anos de cana no mínimo. Eu mantive uma boa distância de segurança e aguentei firme.
Bom, divorciei e perdi contato com Iarinha. Mudei para perto da Avenida Paulista e sempre vou para o trabalho de carro. No entanto, de saco cheio de congestionamento e tanta propaganda de novos trens e novas estações, resolvi ir para o trabalho de metrô, depois de quase vinte anos sem entrar numa estação. Saí de casa às 8:30. O trem estava tão lotado que eu era obrigado a ficar encostado em alguém. Na volta a lotação estava pior. Meu único consolo foi estar bem posicionado. Eu estava atrás de uma loirinha de 1,65m, cheirosa e muito gostosa, que trajava camiseta e minissaia e carregava apostilas de um conhecido cursinho. Vi seu rosto pelo reflexo do vidro e reconheci a moça: Iarinha. A última vez que a vi ela tinha 13 anos, portanto deveria ter 19, e pela apostila que carregava, ela fazia cursinho. Percebi que ela também me viu pelo vidro e me reconheceu. Só trocamos um silencioso oi com um sorriso. Como não havia como não encostar nela nem sair do lugar pois o vagão estava lotado, permaneci atrás dela numa encoxada involuntária. Foi inevitável: meu pau ficou duro e espetado dentro da calça. Eu não sabia o que fazer. Sem ação, olhei para o vidro e vi que Iarinha me olhava. Esperava ser fuzilado com seus olhos mas vi um olhar sacana com um sorriso no canto da boca. Sorri sem saber se ela estava gostando da encoxada ou se estava se preparando para fazer um escândalo e chamar a segurança. A dúvida desapareceu quando senti sua mão pegando meu pau sobre a calça e ajeitando-o para ficar bem encaixado no seu rego. Então senti que ela contraia as nádegas e pressionava a cabeça do meu pau. Eu abaixei a mão e enfiei por baixo da saia e toquei sua calcinha que estava enfiada no rego. Iarinha colocou a cabeça para trás apoiando em meu peito. Falei no seu ouvido que morava perto do seu cursinho e que não havia ninguém em casa. Iarinha não respondeu. Quando o metrô parou já estávamos na nossa estação. Rapidamente ajeitei o cacete e saí do vagão. Iarinha veio para o meu lado e pegou minha mão. Não dissemos uma palavra sequer. Entramos no apartamento e fechei a porta com chave. Quando virei para Iarinha, a safada já estava nua, só de tênis. Comecei a abrir minha camisa enquanto Iarinha se ajoelhava na minha frente e libertava meu cacete que doía de tanto tesão. A menina chupava com força e abria minha calça. Livrei-me da calça, cueca, meias e sapatos sem tirar o pau da sua boquinha. Fiz ela se levantar pois não queria trepar encostado na porta. Ela tinha outra coisa em mente. Ela me abraçou, beijou meus lábios e subiu no meu corpo encaixando meu cacete na sua xoxota apertada. Ela cruzou as pernas nas minhas costa e começou a controlar a bombadas. Para aliviar seu esforço, segurei-a pela bunda. Felizmente Iarinha era levinha (uns 50kg) e sem dificuldades fui andando e metendo até o sofá. Sentado com a bunda no meio do assento, fui cavalgado por Iarinha que gozou rápido. Ela então me abraçou e relaxou ainda ofegante sobre mim. Percebi que ela estava satisfeita, mas eu não estava. Tenho quase trinta anos de experiência na cama. Um metidinha de 3 minutinhos não serve nem como preliminar. Coloquei Iarinha deitada no sofá. Levantei e separei suas pernas e meti rola na sua xoxota. Frango assado é minha posição favorita pois fico por cima, controlo os movimentos, posso olhar o rosto da mulher, beijá-la, chupar seus seios e ver meu pau entrando e saindo dela. Soquei rola na Iarinha por uns 10 minutos e vi a ninfeta gozar duas vezes. Parei para mudar de posição e notei que Iarinha queria descansar deitada no sofá. Fiz ela debruçar com o quadril sobre o braço do sofá e os pés no chão. Ela abraçou uma almofada para o corpo não ficar muito para baixo. Meti por outros tantos minutos e saquei o pau para gozar. Iarinha estava acabada. Já havia gozado umas quatro vezes e só pensava em descansar. Fiz a ninfeta ajoelhar na minha frente e meti a pica na sua boca. Ela nem precisou chupar pois a porra estava tão represada que foi só colocar a cabeça na sua boca para jorrar. Segurei sua cabeça e não deixei ela tirar da boca. Ela ficou sem outra opção e teve que engolir, deixando escorrer um pouco pelo queixo. Soltei sua cabeça e ela caiu no chão dizendo que eu tinha acabado com ela. Porra, nem meia hora de sexo e ela já estava acabada?! Ela é bem fraquinha na cama - pensei com meu culhões. Peguei-a no colo e levei-a para o quarto. Deitei-a na minha cama e vi o veio de porra que escorrera da boca até o queixo. Recolhi com o dedo e levei-o para sua boca. Ela abriu os lábios e chupou levemente meu dedo. Beijei sua boca e ela correspondeu suavemente. Lambi seu pescoço, seus ombros, seios, barriga, ventre, pulei a xoxota e fui para suas coxas. Lambi suas pernas e tirei seus tênis e meias. Felizmente não havia chulé. Lambi seus pés e chupei seus dedos. Iarinha ria e ora dizia que fazia cócegas, ora gemia de tesão. Voltei a lamber suas pernas subindo até a virilha. Quando caí de língua na sua xoxota Iarinha gozou novamente. Foi muito rápido e até sem graça, mas insisti e continuei chupando. Iarinha tentou me afastar de seu grelo, sem sucesso. Quando Iarinha estava com tesão de novo, enfiei um dedo no seu cuzinho. Ela gritou de susto, pois um dedo bem melado não poderia causar tanta dor assim. Ela tentou se afastar, novamente em vão. Forcei-a a ficar no lugar, mas mantive o dedo parado no seu cuzinho apertado. Ela havia me provocado no metrô com sua bunda e agora ia fugir sem liberar o fiofó? Nunca! Chupei seu grelo até ela gozar. Senti seu cu piscar no meu dedo. A cada piscada meu dedo entrava mais fundo e parecia que isso fazia ela gozar mais. Quando finalmente seu cuzinho parou de piscar, tirei o dedo com cuidado e fiz ela ficar deitada de bruços. Coloquei dois travesseiros sob seu quadril para arrebitar e expor seu cuzinho. Iara falou que não queria, mas sequer virou de lado. Peguei o gel lubrificante e passei no seu cuzinho. Enfiei um dedo, depois dois. Senti que estava relaxado. Iarinha reclamou, pediu para eu não fazer aquilo porque ela era virgem e ia doer. Falei que seria cuidadoso e não ia doer (muito, hehehe), mas era para ela se despedir da virgindade anal. Iarinha permaneceu na mesma posição. Fui para trás dela, vi seu cuzinho fechadinho, brilhando com a abundante camada de gel que eu havia depositado. Coloquei o pau na entrada e falei para ela relaxar. Forcei um pouco e a cabeça entrou toda. Suas pernas retesaram e um grito saiu de sua boca. Ela falou chorando que estava doendo. Fiquei parado e disse que a dor ia diminuir até passar e então ela ia sentir só prazer. Esperei muito tempo. Meu pau só não amoleceu porque eu estava com muito tesão por descabaçar o cuzinho virgem dela. Arrisquei mexer um pouco e ela reclamou de dor. Continuei esperando um pedido para parar, pedido que não veio, mesmo quando eu tirava até meia cabeça ficar entre as pregas para então socar até espremer os pentelhos na sua bunda. Depois de alguns minutos socando fundo e ouvindo cada vez mais gemidos e menos reclamações, resolvi mudar de posição. Tirei o pau de seu cuzinho e vi sua argola aberta, meio avermelhada, mas sem sinal de sangue. Coloquei Iarinha de quatro e voltei a enrabá-la. Socava forte puxando-a pelos quadris, depois peguei-a pelos ombros. Ela arqueava as costas arrebitando a bunda e rebolava. Peguei seus seios e passei a comê-la ambos ajoelhados. Falei que ela merecia ser arrombada, que queria levar rola desde de pequena, quando ficava me provocando até eu ficar de pau duro. Ela finalmente estava ganhando o que queria desde pequena. Ela respondeu que sempre quis dar para mim e que estava adorando dar o selinho de trás para mim. Fodi seu cuzinho por muito tempo e gozei tanto que minhas bolas doíam. Caímos de cansaço. Descansamos um pouco e Iara falou que queria ir ao banheiro mas não tinha forças para levantar. Peguei-a no colo e levei-a ao banheiro. Deixei-a sentada no trono e abri o chuveiro. Ela falou que não sabia se estava fazendo cocô, xixi ou peidando, mas tinha alguma coisa saindo dela. Levantei-a e levei-a para o chuveiro. Dei uma banho em Iara, que parecia uma boneca de pano, e levei-a para a cama. Eu queria continuar mas ela caiu no sono quase que imediatamente. Tomei um banho, pedi um pizza. Não consegui acordá-la para jantar e acabei comendo sozinho. Assisti televisão. Quase 10 horas Iara acorda assustada. Perguntei e estava com fome e ofereci a pizza. Ela comeu e falou que não sabia o tinha dado nela, pois nunca havia feito aquilo antes. Perguntei aquilo o quê e ela respondeu que era transar logo de cara, por impulso. Ela disse que só tinha transado com o namorado algumas vezes e com muito planejamento. Falei que ela já havia planejado nossa transa há muito tempo e ela riu sem graça e disse que havia sonhado várias vezes, apenas sonhado. Ela pediu uma carona para casa e quando se vestia, enfiou a calcinha no rego e se curvou, perguntando se eu me lembrava daquilo. A menininha sacana que tentava me seduzir virou uma tremenda gata. Puxei-a para o meu colo encaixando meu cacete já duro novamente no seu rego. Ela falou que estava satisfeita e que não aguentava outra mas não dei ouvidos. Enquanto beijava sua boca eu levantava sua camiseta e puxava sua calcinha para o lado. Soltei meu pau da cueca e ele foi direto para sua xoxota ainda meio seca. Foi uma penetração dolorosa e deliciosa para nós dois. Em pouco tempo sua xoxota estava molhada e podíamos mexer à vontade. Assim que ela gozou, levantei-me e passei a comê-la de quatro. Aquela gata, linda e gostosa, de quatro na beira da cama, oferecendo a boceta e o cu, é tudo que um homem sonha. Cravei o pau na boceta, fazendo ir mais fundo possível e tirando grunhidos de prazer daquela gatinha. Depois troquei de buraco. Tomei o cuidado de passar gel pois o cuzinho estava traumatizado pelo defloramento horas antes, e foi tranquilo. Iarinha não reclamou e até arreganhou as nádegas com as mãos para facilitar. Eu não estava preocupado em fazê-la gozar ou segurar ou prolongar a transa, apenas queria meter e gozar. Eu me deliciava com seu cuzinho apertado e macio apertando meu pau. De repente Iarinha forçou a bunda para trás forçando a entrada de mais rola, e senti seu cuzinho piscar forte, várias vezes, em espasmos. Foi puro reflexo, na hora despejei o resto de porra do saco no seu reto. Iarinha urrava de tesão e forçava a bunda para trás. Foi a sincronia perfeita. Tomamos uma nova ducha e tive que correr para deixar Iarinha em sua casa no horário. Eu ia dizer que deveria ser nossa única transa mas Iarinha falou antes, explicou que eu era sua fantasia de adolescente e que não podia ir adiante. Fingi uma cara de triste e me despedi dela.

Sarro entre machos

Olá, meu nome é Rafael, tenho 31 anos, sou casado e sou muuuito safado tb.
O que vou contar aconteceu a menos de um mês. Minha mulher trabalha num hospital e eu as vezes fico sozinho um dia inteiro no fim-de-semana, ai aproveito pra me divertir um pouco.
Em salas de bate papo conheci o Andre. Ele é um cara normal, moreno, mais ou menos 1,75cm altura.
Nos falamos por quase 01 hora até combinarmos de nos encontrar. em nossa conversa, ele demonstrou vontade de estar com outro homem, mas nada de "viadagem" nem penetração. ele estava apenas querendo ver um homem de pau duro batendo punheta, queria ver um pau gozando, essas coisas...
Eu disse a ele que estava sozinho em casa. Fui ao local combinado: um posto de gasolina perto do centro. Nos conhecemos pessoalmente, ele estava com muita vergonha, nem queria me encarar. então o acalmei dizendo que oque acontecesse ficaria só entre nós pois sou casado e tenho muito a perder.
Fomos de moto pra minha casa.
Chegando lá, entramos, perguntei se ele queria algo, me pediu água. Eu disse a ele que não tinha muito tempo, pois logo minha mulher sairia do serviço. Então eu perguntei se ele queria tomar banho, fomos pra o banheiro, comecei tirando minha roupa ficando so de cueca, e percebi que ele estava ficando de pau duro. o ajudei a tirar sua roupa, liguei o chuveiro, tiramos as cuecas e entrei no box. ele ficou so olhando, o chamei pra entrar tb.
ele entrou, eu peguei no pau dele e ele no meu, começamos a nos esfregar,me virei de costas e ele passou o pau na minha bunda e pediu que eu fizesse o mesmo.quando encostei meu pau na bunda, ele suspirou e começou a mexer, se esfregando em mim. agarrei o pau dele por tras e bati punheta, ele delirava. terminamos o banho nos secamos e fomos pra minha cama
deitamos um ao lado do outro e batemos punheta um para o outro. fechei meus olhos, estava muito bom....
quando de repente ele veio por cima e abocanhou meu pau o engolindo inteiro... ah!!! que delicia!!!
chupou muito, acho que por uns 15 minutos, mas não gozei. retribui a chupada, lambi a cabecinha fui descendo por todo o pau, fui nas bolas e desci até o cu dele, que gemeu, voltei ao pau e chupei muito forte... ele disse que iria gozar, eu entao chupei mais forte fui pras bolas e bati pra ele, foi quando o vi esporrando todo!!! saiu muita porra...........
ficamos parados um pouco, meu pau amoleceu. ele estava deitado e eu sentado na cama mexendo no pau dele, ele se virou de bruços e disse que não aguentaria meu pau em seu cu, mas meus dedos ele ia adorar... entao comecei a meter dois dedos naquele rabo gostoso!!! que cu gostoso, mas eu nao queria forçar a barra. talvez outro dia eu o comesse...
enquanto eu metia meus dedos ele me punhetava, vendo que meu pau ja tava uma rocha, se virou abaixou e começou a me chupar de novo, agora com mais vontade ainda... que delicia, que boca gulosa e gostosa!!! daquele jeito nao demoraria a gozar eu disse a ele.
o andre me pediu pra ficar em pe e se ajoelhou na minha frente e ja foi logo engolindo meu caralho inteiro. sua boca era tao gostosa que ate esqueci de seu cu...
ele me chupava com voracidade e se babava todo se mostrando uma "boqueteira bem safada"! quem dera minha mulher me chupasse daquele jeito...
Nao aguentei e disse que ia gozar... ele se ajeitou no chao e disse: "goza em meu rosto, no meu peito, na minha boca seu safado!!!!!!!" ouvindo isso, meu pau explodiu em sua cara, me fazendo delirar de tanto tesao, fiquei ate com as pernas bambas... que gozada gostosa, quanta porra saiu. eu pedi a ele que me lambesse mais um pouco e foi o que fez, limpando meu pau!!!
Depois de mais um banho, ele disse que iria embora, e que depois me ligaria... ainda estou aguardando, quem sabe dessa vez ele não anima esquentar a rosquinha né.
Abraços!!!!!